É completa e absolutamente medíocre. Mas é a Halle Berry. 

Digo, fora o star power dela, é um tipo de banalidade que parece algo completamente virado de cabeça pra baixo por uma mudança simples de representatividade. O filme de boxe clássico, banal, que sai todo ano mas… protagonizado e dirigido por uma mulher negra. 

Não se sustenta, no final das contas. Porque o cinema precisa normalmente de mais que uma boa ideia. Então quando ela parte de algo que a gente não vê normalmente e que soa como algo novo, que é o fato de que não é um cara branco nesse papel de tentar trazer a vida de volta aos eixos e vencer uma luta e se reconectar com o filho, ela cai numa tentativa de se equilibrar entre algo muito sisudo e pesado dramaticamente e de seguir o caminho mais corriqueiro. 

Então as cenas de luta são legais. (não muito mais que isso) As situações dramáticas parecem que já vieram prontas. A decupagem das cenas é de uma aluna nota 10 em seguir as cartilhas. Mas ao menos ele tem esse peso de trazer qualquer coisa de diferente. 

E não é que não existam outras obras que já tenham feito isso antes. Como fã de cinema de esportes, consigo lembrar de ao menos umas duas mulheres lutadoras protagonistas e também de Creed, óbvio, como o toten negro do gênero.  (mas a questão é que também consigo lembrar de uns outros 50 sobre caras brancos)

Pra não dizer que não existe nada que extrapole o clichê, tem uma brutalidade muito evidenciada numa cena de briga logo no primeiro ato que demonstra que a diretora estreante pode ter um algo a mais na manga. E também, o ator mirim que faz o filho é muito fofinho.

Mas fora isso, Halle precisa pensar mais para além da força dessa história.

bruised, eua, 2021
direção: halle berry
roteiro: michelle rosenfarb
fotografia: frank g demarco joshua reis
montagem: jacob craycroft terilyn a shropshire
elenco: halle berry adan canto sheila atim danny boyd jr. adriane lenox shamier anderson stephen mckinley henderson valentina shevchenko lela loren nikolai nikolaeff denny dillon jacob crespo jennifer chieng shawna hamic mark cayne julio a. sanchez chandler acloque phaidra knight elijah clarke robert d. constance mark fratto yves edwards julie kedzie delissa reynolds

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s