Um homem com uma câmera, Dziga Vertov, 1929

No meio de tanta experimentação concreta, abstrata, física, de montagem, quadro, efeito e truque, é curioso que se sobressaia o aspecto narrativo em Um homem com uma câmera. Não por uma articulação dramática de personagens e de história mas pela materialização de uma ideia feita de fragmentos de imagem.