Não é um bom sinal quando o mais interessante de um filme vem de ficar imaginando o que existe por debaixo da premissa. Não do roteiro, mas do argumento do roteiro. 

Segredos de sangue é tão inócuo, previsível, conservador em suas discussões e sem qualquer impacto que tudo o que há de minimamente curioso vem do espectador imaginar certas coisas. Tipo, o que Jon Darby quer dizer com o paralelo entre Nova York e um Haras no sul dos EUA? Ele quer dizer algo com isso? O paralelo é deliberado ou só uma comparação que nós fazemos porque é uma das poucas coisas que a obra acaba oferecendo?

Outra coisa que surge é a posição de Jessica Lange na história. A megera que veio de fora da família e de alguma forma assumiu essa posição de poder matriarcal. O que nada mais é que o de sempre nos suspenses sobre sogras: a nora percebe que sua sogra horrível já esteve em seu lugar. 

Se o filme for bom, tudo isso serve de aresta para discussão e subtexto sobre posições de mulheres numa família nuclear e do papel disso nas relações. Ou ao menos é combustível para algum suspense que de alguma forma celebre essas convenções artificiais de trama.

Segredo de sangue não consegue alcançar nada disso. Ele sobra não esquecido porque tem essa sorte de por acaso ter o star power de Gwyneth equilibrando o talento de Jessica Lange. Mas fora isso é impressionante o quão vazio é todo o resto. Um filme que se desmonta pela sua duração e não tem nem a personalidade de ser verdadeiramente horrível. Só insuportavelmente medíocre. Parece que se dirigiu sozinho. (ou se tivesse não faria diferença)

PS: Lofts e apartamentos horrorosos em cinema e TV dos 1990s não são incomuns, mas o que é aquela divisória do banheiro no apartamento do casal?!

se você gostou do que leu, compartilhe e siga o Coquetel Kuleshov também no Instagram, no Letterboxd e no Twitter

hush, eua, 1998
direção: jonathan darby
roteiro: jonathan darby, jane rusconi
fotografia: andrew dunn
montagem: robert leighton lynzee klingman dan rae
elenco: jessica lange gwyneth paltrow johnathon schaech nina foch debi mazar kaiulani lee david thornton hal holbrook richard lineback richard kohn faith potts tom story jolene carroll jacob press joe inscoe catherine shaffner lenny steinline rick gray tom holmes owen valentine ricardo miguel young woody robertson jr. charles thomas baxter jayne hess sarah elspas rebecca elspas jacob elspas diandra newlin

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s