Deve ter uma pureza nessa espiral de nostalgia que Branagh se joga sem dó. Percebe-se muito a ideia de um cara que vê com carinho a sua infância confortável num contexto turbulento. E o filme replica bem isso. Tão bem que fica quase impossível tentar se conectar com algo mas estar aprisionado ao olhar de um menino sem nada na cabeça. (o que é muito saudável e apropriado para qualquer criança, vale dizer)

Tão encantado com a própria ideia, a tradução formal que o diretor faz de tudo é terrivelmente banal. O preto e branco da nostalgia, as cores vindas das peças de teatro e do cinema. Tudo traduzido numa dramaturgia oca de personagens sem qualquer peso. O pouco das relações singelas vem dos avós, mas ainda assim nada que traga o filme que ele acha que tem em mãos à tona. 

É uma homenagem que funciona para a gente entender o carinho que ele tem por essa cidade, mas não que nos explique de onde vem isso tudo. Parece que ele gosta por gostar e parece que nada dos problemas e das complicações políticas consegue ser traduzido para além do “vamos ter que nos mudar”. 

Lembra Roma, óbvio, que por si só tem seus problemas e sua fetichização nostálgica, mas lá ao menos Cuarón constrói algo para ser discutido. Cria camadas até mesmo pretensiosas de um filme que lida com as profundidades de tema e de forma. Replicando isso até literalmente com a profundidade de campo dos planos.

Já aqui, em Belfast, a gente nunca consegue ver muito além daquela rua fechada.

se você gostou do que leu, compartilhe e siga o Coquetel Kuleshov também no Instagram, no Letterboxd e no Twitter

belfast, inglaterra, irlanda, 2022
direção: kenneth branagh
roteiro: kenneth branagh
fotografia: haris zambarloukos
montagem: úna ní dhonghaíle
elenco: jude hill caitríona balfe jamie dornan judi dench ciarán hinds colin morgan lara mcdonnell lewis mcaskie gerard horan josie walker olive tennant michael maloney turlough convery conor macneill chris mccurry elly condron samuel menhinick vanessa ifediora gerard mccarthy sid sagar mark hadfield john sessions mairéad tyers drew dillon leonard buckley kit rakusen freya yates nessa eriksson charlie barnard frankie hastings caolan mccarthy ian dunnett jnr oliver savell orla mcdonagh ross o’donnellan olivia flanagan serrana su-ling bliss rachel feeney estelle cousins scott gutteridge bill branagh joyce branagh jimmy o’dee victor alli

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s