É um filme que diversas vezes aperta os botões certos em se tratando dessa proposta de um thriller erótico como ele se propunha ser. 

De erotismo, existe algo como uma sugestão e nada mais. De suspense, a história baseada num livro famoso até que consegue ser uma base sólida para esse desenvolvimento. Mas no todo, Águas Profundas parece um filme acanhado. Comportado como se nunca fosse tão longe quanto o seu potencial permitiria.

O casal protagonista é uma âncora sólida e o elenco como um todo sustenta muito bem esse cinema tardio de Adrian Lyne. Com construções de decupagem que se fazem de planos de aparente simplicidade mas que sempre querem dizer mais. Mesmo que o dito nem sempre seja claro. 

Num momento, o policial visto debaixo contra a parede ganha chifres de uma galhada exposta no escritório. Em outro, numa brincadeira na hora do banho da criança, a câmera adquire um tom dramático conforme o boneco de um mergulhador afunda. Uma cena faz pouco sentido ou é críptica demais pra que eu tenha captado, outra é um eco bem evidente do desenrolar do enredo.

É um filme hipnótico por estes momentos e por outros que adquirem um tom de importância e elevam a obra como um todo. Do ápice de uma perseguição maluca numa floresta, à forma como os planos curiosos cobrem a infinidade de festinhas e ambientes sociais que compõem o desenrolar; o magnetismo de Ben e de Anna. 

Mas o fato é que tem um vazio da forma como tudo isso se estrutura em termos da trama que se arrasta por baixo de tudo. 

Como se o filme conseguisse manter uma unidade superficial mas nunca conectar todas as camadas de enredo e subtexto aqui. O roteiro de Sam Levinson e Zach Helm tem muito a responsabilidade por isso junto dessa direção afastada, quando não consegue traduzir uma história claramente interessante para esse formato.

Ainda assim, a obra chega a algum lugar e só o fato dela manter essa unidade superficial funcionando bem já é algum mérito que a destaca do tipo de suspense que escapa pelas arestas desse momento estranho para filmes mais adultos no cinema hollywoodiano.

se você gostou do que leu, compartilhe e siga o Coquetel Kuleshov também no Instagram, no Letterboxd e no Twitter

deep water
direção: adrian lyne
roteiro: patricia highsmith zach helm sam levinson
fotografia: eigil bryld
montagem: tim squyres andrew mondshein
elenco: ben affleck ana de armas tracy letts lil rel howery dash mihok finn wittrock kristen connolly jacob elordi rachel blanchard michael braun jade fernandez grace jenkins brendan miller devyn a. tyler jeff pope michael scialabba paul teal juliet brett damon lipari jaren mitchell sam malone armando leduc shauna rappold martinez krystal tomlin jason edwards sefenech henok anna bruno tiffany christy joanna connor maddison marx goldie lowe darius “da bucket banga” lindsley

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s